fbpx Skip to main content

Solsist apresenta projeto científico em Conferência Internacional sobre construção e sustentabilidade

bece3c_6ad1a6e65c174b04ab75978aa520f44b-mv2

Profissionais e pesquisadores de diversos países (Brasil, Canadá, Portugal, Argentina, Equador, Colômbia, México, Estados Unidos e Alemanha) com diferentes realidades socioambientais, se reuniram na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), entre 7  e 9 de setembro, para acompanhar a Conferência Internacional da  SBE 2016 –Sustentabilidade no Ambiente Construído, realizada pela primeira vez na América do Sul.

Atenta às tendências e novidades do segmento, a Solsist esteve presente na conferência – considerada a mais inovadora na área -, não só acompanhando os debates levantados como também dando a sua contribuição por meio da apresentação de um projeto científico. Apoiado em um dos eixos temáticos da programação “Tecnologias para um ambiente de construção sustentável”, Paulo Breyner, sócio da Solsist, falou sobre o potencial energético solar fotovoltaico para uma edificação já construída, utilizando como estudo de caso o Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (NIPE) da Universidade Estadual de Campinas (São Paulo).

A partir do tema “Comunidades urbanas sustentáveis para um ambiente de impacto quase nulo”, a conferência buscou ampliar a discussão e o comprometimento dos profissionais da construção civil com os princípios do desenvolvimento sustentável. Durante três dias de programação os participantes tiveram a oportunidade de trabalhar diversos assuntos como os sistemas de energias renováveis, planejamento urbano para comunidades sustentáveis, mobilidade urbana e acessibilidade, adaptação de cidades e edifícios às mudanças climáticas e governança e estratégias para um ambiente construído sustentável.

Segundo Paulo Breyner, sua exposição focou nas melhores formas de integração e adaptação de um sistema fotovoltaico conectado à rede na construção. Levando em consideração a volumetria arquitetônica, sombras existentes no envoltório do edifício e os impactos ambientais causados pela adoção de diferentes tipos de células (monocristalino, policristalino, cobre-índio, gálio-selênio – CIGS e telureto de cádmio – CdTe), chegou-se a conclusão que, “mesmo em edificações já construídas, que não levaram em consideração a implementação de um sistema fotovoltaico na concepção do projeto, é possível obter uma redução do consumo de energia elétrica. No caso do NIPE, para diversas tecnologias, foi possível obter uma redução entre 25 e 45%”, explica.

bece3c_9ef1b53ab81d4e86a54c3af3399cf187-mv2

Sobre a oportunidade de apresentar seu trabalho na Conferência Internacional da SBE 2016 – Sustentabilidade no Ambiente Construído, Paulo Breyner destaca que o encontro foi um momento de conectar o conhecimento à prática de profissionais de diversas áreas de atuação contribuindo assim para a disseminação de ideias ecológicas e sustentáveis que irão garantir um futuro fértil e consciente.

Ele ainda chama atenção para a importância do tema central do evento “Comunidades urbanas sustentáveis para um ambiente de impacto quase nulo”. Em sua opinião, os centros urbanos representam hoje uma grande parcela das emissões de gases do efeito estufa em função das atividades econômicas que movem cada cidade. “Diante do crescimento e desenvolvimento tecnológico que estamos vivenciando é extremamente necessário levantar esse tipo de discussão e, acima de tudo, despertar os profissionais para a necessidade de investir em um bom planejamento urbano para que possamos evoluir em um ambiente cada vez mais sustentável”, aponta.

Para quem tiver interesse em ler o trabalho de Breyner na íntegra é só dar um clique aqui!

 

bece3c_61ed638a42bf4a169a26e4ac1dcba3c2-mv2
%d blogueiros gostam disto: