Skip to main content

Energia solar no Brasil deve ter novas aquisições e primeiro gigawatt neste ano

O ano de 2017 deverá registrar uma série de movimentações no setor de energia solar no Brasil, com várias usinas contratadas nos últimos anos entrando em operação e também com diversos empreendimentos trocando de mãos, por meio de aquisições, disse à agência de notícias Reuters um executivo do setor.

De acordo com o presidente da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar), Rodrigo Sauaia, o país alcançará neste ano a marca de 1 gigawatt em capacidade instalada em usinas fotovoltaicas, patamar registrado em apenas pouco mais de 20 países.

O sucesso da energia solar no Brasil, no entanto, poderia ser ainda maior, uma vez que leilões na área realizados pelo país desde 2014 previam quase 2 gigawatts em operação até agosto de 2017.

A comemoração também poderia se dar em um momento melhor, uma vez que os investidores do setor ainda digerem o cancelamento, nos últimos dias de 2016, de um leilão que contrataria novas usinas eólicas e solares. O governo disse que a decisão foi motivada pela queda do consumo de eletricidade causada pela crise econômica.

Vem aí um desafio grande para a energia solar no Brasil, porque apesar desse começo positivo, tivemos um tropeço importante com o cancelamento do leilão… foi um golpe duro, porque o setor tem que ter previsibilidade da demanda”, disse Sauaia, que está à frente da associação que representa a indústria de equipamentos e investidores do setor.

Segundo ele, empresas associadas à entidade haviam revelado a intenção de entrar no certame com cerca de 5 gigawatts em projetos.

Mas ao mesmo tempo em que há o forte interesse por investimentos no setor, um grupo de empresas negocia com o governo para cancelar projetos já contratados no primeiro leilão para energia solar, em 2014.

“Ocorreu uma mudança brusca e imprevisível no cenário macroeconômico brasileiro que afetou diretamente esses projetos, e é difícil você precificar. Uma turbulência econômica e política… por conta disso os empreendedores estão em diálogo direto com o governo, buscando um caminho, uma solução”, disse.

Por outro lado, a Absolar espera ver neste ano a entrega dos parques solares contratados em um leilão realizado em agosto de 2015, que ofereceu preços maiores e previa início da operação das usinas para agosto deste ano.

Leia matéria completa em: http://glo.bo/2jUR2Hb

Fonte: Jornal Extra

 

%d blogueiros gostam disto: