fbpx Skip to main content

Energia limpa está cada vez mais acessível

Aos poucos o mito em torno da inviabilidade financeira da energia limpa vai se desfazendo. De acordo com o Renewables Global Status Report, principal estudo do setor divulgado em junho deste ano, nunca os países emergentes investiram tanto em energia solar, eólica e hidroelétrica. Esse incremento representa mais que o dobro gasto em novas usinas de carvão e gás, e é um forte indicativo que essas tecnologias são economicamente competitivas.

De acordo com o relatório, os investimentos em energia renovável somaram US$ 286 bilhões em 2015 e foram gerados cerca de 147 Gigawatts (GWh) de energia renovável, principalmente eólica e solar. Isso equivale (pasmem!) a toda a energia produzida pela África. Em relação ao Brasil, a pesquisa afirma que foi o segundo país do mundo em ampliação da capacidade hidrelétrica, biodiesel e etanol, atrás apenas da China, e o quarto em energia eólica.

Para frear a emissão de CO2 e, claro, economizar, vários países vêm investindo pesado em energia limpa. E não pense que é uma estratégia só das grandes potências. Você verá que os nossos vizinhos, Uruguai e Chile despontam como um dos maiores investidores do mundo nessa tecnologia. Confira os principais exemplos:

1º China: Energia solar até mesmo na chuva – É responsável por aproximadamente um terço do total de investimentos global. A energia solar e eólica lideram, mas até painéis fotovoltaicos que funcionam a partir da chuva estão em desenvolvimento.

bece3c_597c8f71591f4177928b8d6cde856cdd-mv2

 

2º Portugal: Independência energética – Recentemente o país conseguiu o feito de abastecer por quatro dias toda sua população a partir de fontes solar, eólica e hídrica. A energia dos ventos é a que mais cresce em investimentos no país.

bece3c_42b125fc61484b6a8a9b6e4e3a41aa80-mv2

 

3º Alemanha: Conta de luz zero – Semelhante ao seu vizinho Portugal, recentemente bateu recorde na produção de energia a partir de fontes limpas. Com o acúmulo de energia, as contas dos alemães chegaram a zerar. Biomassa, solar, eólica e hídrica são as principais.

bece3c_c5e127e6e04541bcaf177e4eac72fc47-mv2

 

4º Uruguai: Rumo ao 100% de sustentabilidade – Investindo pesado em tecnologias limpas nos últimos 15 anos, o país já não depende mais do petróleo como fonte de energia. No último mês, o Uruguai registrou que 98% de toda sua energia vem de usinas solares, eólicas, hídricas e biomassa.

bece3c_17d912931fc54741940fc6d4d0031f3b-mv2-1

 

5º Chile: 113 dias de energia grátis – O crescimento da energia solar é tão grande que recentemente os moradores de algumas regiões chilenas não precisaram de pagar pela conta de luz por 113 dias. E, até 2018, 60% da fonte de energia do metrô de Santigo virá de fontes solares e eólicas.

Presidente do Chile, Michelle Bachelet, durante a inauguração
Presidente do Chile, Michelle Bachelet, durante a inauguração

6º Noruega: Mobilidade limpa – Um quarto dos carros que circulam no país são elétricos e a meta é que nos próximos 10 anos 100% de sua frota não precise de combustíveis fósseis. O governo passou a aportar recursos em empresas que investem em energia limpa, em detrimento daquelas que têm receitas do setor petrolífero.

bece3c_0249e470c19f4cbb9601c4f64186c031-mv2

 

7º Escócia: Força das marés – Até o final de 2016, o litoral escocês contará com a maior usina de energia proveniente do mar. Serão 269 turbinas instaladas no fundo do oceano na região de Ness of Quoys que abastecerá mais de 175 mil casas.

bece3c_6932a1393fcf4f5cb7d14128264e4f5e-mv2-1

 

8º Áustria: Maior estado movido a energia limpa – Como o Uruguai, o país está no rumo da sustentabilidade, já que 75% de sua energia vem de fontes renováveis e o maior estado do país é abastecido com 100% de fontes limpas. As usinas solares, eólicas e de biomassa são as principais e a estação hidrelétrica sobre o rio Danúbio vem sendo modernizada.

bece3c_6169810861d94f9989b91429c318b70c-mv2

%d blogueiros gostam disto: